Estou em: Início » Aquicultura » Ranicultura
 
Tamanho do texto: Maior | Normal | Menor

Ranicultura

 

Ranicultura

 

A ranicultura consiste na criação de rãs e pode possuir até seis sistemas de criadouro:

 

1 - Confinamento.

2 - Ranabox.

3 - Estufa.

4 - Anfi-granja.

5 - Tanque-ilha.

6 - Gaiolas.

 

Para a região Norte o sistema de criação mais indicado é o de anti-franjas, que são galpões com divisórias (baias), onde a quantidade de animais distribuídos é relativa ao espaço disponível (50 animais por metro quadrado), com o passar do tempo a quantidade de animais diminui decorrente de seu crescimento, até permanecerem apenas 25 animais por metro quadrado. A alimentação consiste em rações especiais à base de proteína e larvas de moscas. Para um melhor resultado é necessário um manejo adequado dos animais assim como um controle da qualidade da água utilizada nos tanques.

 

No Brasil, a produção de rãs é voltada para o mercado interno, porém com grande potencial de alcançar o mercado externo. No estado do Pará já existem empresas especializadas no cultivo deste anfíbio.

 

A carne de rã contém menos calorias, são somente 68 kcal, se comparada a do de frango, 264 kcal, a bovina, 149 kcal, a de porco, 276 kcal e a de coelho, com 162 kcal e, por esta razão, pode ser utilizada também na área da medicina e nutrição como, por exemplo, no controle do colesterol e da hipertensão.

Instituições Parceiras:


Av. Gentil Bittencourt, 827 - Batista Campos, CEP 66.040-174, Belém-Pará-Brasil.
Fone(s): (91) 3110-5900.
Fax: (91) 3110-5923.
E-mail: sepaq@sepaq.pa.gov.br
2013 © SEPAq - Secretaria de Estado de Pesca e Aquicultura.