Estou em: Início » Aquicultura » Piscicultura
 
Tamanho do texto: Maior | Normal | Menor

Piscicultura


 


Pagominas

A piscicultura é uma das atividades aquícolas que mais se destacam no Estado do Pará, haja vista o interesse demonstrado pelos div

 

ersos seguimentos de atores envidados em aumentar a oferta de peixe regional.

Esta atividade é considerada um dos maiores agronegócios da atualidade, considerando-se a busca de alternativas capazes de fornecer alimentos de grande valor nutritivo em curto prazo e com preço bastante acessível. A piscicultura pode ser desenvolvida em áreas hídricas ociosas e/ou exauridas, podendo auxiliar no repovoamento de rios com acentuado esforço de pesca que promovem a redução dos estoques pesqueiros.

Notadamente a Piscicultura é uma atividade lucrativa, mas necessário se faz a aplicação de técnicas já estabelecidas experimentalmente. A assistência técnica especializada é o primeiro passo para o desenvolvimento dessa atividade, onde as boas práticas serão adotadas com a garantia de um negócio dentro dos padrões técnicos/científicos e criteriosa aplicação de recursos.

A piscicultura é desenvolvida de acordo com a sua finalidade (produção de alevinos, cria e engorda, lazer, para fins sanitários, etc.) e com o sistema de criação (intensivo, extensivo, semi-intensivo). Uma piscicultura deve se desenvolver em água de boa qualidade, sem a proximidade de indústrias químicas, matadouros, ou qualquer outra atividade que podem afetar a criação de peixes. A água a ser utilizada deve ter boa procedência, sendo preferencialmente de nascentes, igarapés, lagos e reservatórios.

As espécies a criar devem ser preferencialmente oriundas da bacia hidrográfica regional, que sejam rústicas, convivam bem com outras espécies e que tenham um hábito alimentar capaz de converter o máximo do alimento ingerido em proteína de boa qualidade, além de um desenvolvimento corporal significativo. A infraestrutura inicial deve ser construída sob a supervisão de engenheiro especializado para não apresentar problemas futuros, os quais refletirão em perdas financeiras.

No Estado do Pará as espécies mais utilizada são o Tambaqui (Colossoma macropomum), Curimatã (Prochilodus spp), Pirarucu (Arapaima gigas), Pirapitinga Piaractus brachipomus), Tamuatá (Hoplosternum littorale), além de híbridos como o Tambacu. A SEPAq disponibiliza seu corpo técnico para orientações referentes as áreas de Nutrição, Construção de Infraestrutura, Produção e venda de alevinos, Manejo de peixes e de viveiros, etc...

 

A SEPAq disponibiliza aos leitores o Quadro Sinótico de Espécies de Peixes  Potenciais para Piscicultura conforme discriminado abaixo: 



Instituições Parceiras:


Av. Gentil Bittencourt, 827 - Batista Campos, CEP 66.040-174, Belém-Pará-Brasil.
Fone(s): (91) 3110-5900.
Fax: (91) 3110-5923.
E-mail: sepaq@sepaq.pa.gov.br
2013 © SEPAq - Secretaria de Estado de Pesca e Aquicultura.